Regra em condomínios novos e tendência até mesmo nos antigos, a individualização dos serviços de consumo como água, gás e energia tem mostrado ganhos significativos no bolso de moradores e para o meio ambiente.

Isso porque, é indiscutível que a cobrança individualizada é uma forma mais justa e ecologicamente correta de se custear o uso, tendo em vista que cada unidade paga apenas pelo volume do bem consumido, o que permite a cada morador acompanhar, mês a mês, o seu gasto.

Vice-presidente da área das Administradoras de Condomínios da Câmara do Mercado Imobiliários e Sindicato das Empresas de Construção Civil (CMI/Secovi-MG), Leonardo Mota, explica que o sistema de individualização consiste na instalação de medidores em cada unidade do condomínio para aferição do consumo. “Atualmente, a individualização ocorre nos serviços de energia (já é individualizado pela distribuidora), gás (quando o reservatório é coletivo e cada unidade possui seu consumo registrado) e água (quando são instalados hidrômetros nas unidades para medir o consumo)”, detalha.

 Entre as vantagens, ele ressalta que, além do ganho financeiro, pois quando a unidade paga pelo seu próprio consumo, tendo em vista que o gasto é real e mais justo do que no modo de rateio coletivo, a individualização proporciona uma economia substancial para todo o imóvel. “Já que o condômino acompanha seu consumo e o valor a ser pago varia em conformidade com seu gasto, ele fica mais atento ao desperdício e monitora gastos excessivos”, diz o especialista.

Em uma linha do tempo, é possível perceber que a individualização do gás já ocorre há bastante tempo (mais de 10 anos). Mas a individualização de água é recente e tornou-se tendência. “A legislação obriga as novas construções a ter instalação de hidrômetros individuais. Essa é ainda uma iniciativa que aumenta o valor agregado do imóvel”, afirma Leonardo.

Em 2016, o presidente Michel Temer sancionou a lei nº 13.312  que tornará obrigatório, a partir de 2021, a entrega de todos os condomínios novos no Brasil já prontos para a medição individual da água. Assim, a individualização fica assegurada no futuro, bem como um consumo mais racional da água.

 

A iniciativa de individualização dos serviços é, na grande maioria dos casos, adotada pelo condomínio e não pela concessionária do serviço, o que impede ao condomínio o corte dos serviços, no caso de inadimplência. No caso da água, por exemplo, a medição pode ser feita por telemetria (leitura remota e constante dos dados), por aplicativos disponibilizados pelas administradoras (inclusive com fotos para registro da leitura) ou manualmente, utilizando planilhas de cálculo.

Ele explica que os hidrômetros devem ser instalados na entrada de água de cada unidade e que, no caso das edificações antigas, essa distribuição é feita por prumadas. “Para leitura, será necessário ter vários hidrômetros no interior de cada unidade, além do aspecto físico, que, para instalação dos equipamentos, poderá avariar revestimentos internos”, diz.

Mas, é preciso atenção. Leonardo alerta que para não haver erros nos cálculos, é preciso haver uma leitura periódica e precisa, mantendo o condômino informado de seu consumo nos demonstrativos de cobrança da taxa condominial. “Quanto maior a automação do sistema, melhor será a precisão dos dados, minimizando os erros de uma leitura ocular”, garante.

Benefícios da individualização em condomínios

  • Consumo racional da água: o estimado por especialistas é que haja uma diminuição global de 40% do consumo de água no condomínio
  • Cobrança justa do que cada unidade consome: geralmente 70% dos moradores do empreendimento percebem uma diminuição na conta
  • Ganho do meio ambiente com a conscientização do consumo: depois de um período de adaptação, fica evidente até para os mais ‘gastões’ que usar a água de forma racional é uma ótima forma de economizar e ajudar o planeta
  • Detecção de vazamentos facilitada: principalmente ao longo do tempo, quando há um histórico consistente de consumo de cada unidade, fica mais claro quando há um aumento no consumo exacerbado de uma unidade – o que não ocorreria em uma situação sem individualização
  • Agrega valor à unidade: especialistas apontam que é um ganho real para o patrimônio de toda a comunidade quando há individualização da água
  • Facilidade para o síndico: dependendo da empresa escolhida pelo condomínio, a conta de água passa a ser gerida pela parceira, liberando o gestor para focar em outros temas.